Os remédios para emagrecer são seguros?

Espalhe Saúde. Compartilhe

Para quem mantém uma rotina de exercícios e alimentação equilibrada, o uso de remédios para emagrecer pode ser uma das soluções eficazes para ter o tão sonhado corpo livre de gordura e com massa magra. Para isso, a prescrição dos medicamentos deve ser feita por um profissional de saúde.

Quer entender mais sobre esse tema? Neste texto explicaremos tudo para você!

Primeiramente diremos quando são indicados esses remédios e como eles agem no organismo.

Posteriormente, explicaremos quando eles podem se tornar perigosos e quais as contraindicações. Confira!

Quando os remédios para emagrecer são indicados?

Os remédios para emagrecer não devem ser tomados sem indicação de um médico.

Por isso, um endocrinologista sempre deve avaliar os hábitos alimentares e rotina de exercícios do paciente antes de recomendar o medicamento.

Se mesmo com uma boa alimentação e treino adequado a pessoa não conseguir perder peso, o endocrinologista poderá considerar a dificuldade relacionada a disfunções hormonais. Desse modo, ele indicará o uso dos medicamentos.


Assim sendo, podemos dizer que os remédios para emagrecer são indicados quando a pessoa possuir:

IMC superior a 27 com problemas de saúde

Quando o excesso de peso for associado a problemas de saúde como a diabetes, colesterol e pressão alta e o paciente não conseguir perder peso realizando exercícios e se alimentado adequadamente.

IMC superior acima de 30

Em casos de obesidade e dificuldade de perder peso com exercício e dieta.


Além disso, o endocrinologista ainda avaliará o histórico de saúde do paciente e entenderá se há possíveis riscos, efeitos colaterais e interações com outros medicamentos que a pessoa já toma.

Isso porque, por exemplo, os remédios para emagrecimento geralmente diminuem o apetite e a retenção de líquidos.

Quais os medicamentos que promovem o emagrecimento?

Mostraremos agora alguns dos remédios mais utilizados por quem deseja perder peso.

Lembrando que, quem escolhe o remédio ideal para a pessoa emagrecer é sempre o endocrinologista.

Sibutramina

Esse é um dos medicamentos mais usados para emagrecer. Isso porque ele diminui o apetite ao mesmo tempo em que aumenta o gasto calórico. Sendo assim comumente indicado para pacientes com IMC acima de 30.

Além disso, é contraindicado para quem sofre de hipertensão e diabetes.

Desse modo, a sibutramina atua nos neurotransmissores como a dopamina, a serotonina e a noradrenalina para reduzir o apetite.

Sanxenda

Aprovado pela Avisa desde 2016, o Sanxenda é injetado diretamente na pele do paciente.

Ele é indicado tanto para pacientes com IMC acima de 30 quanto para as pessoas com IMC acima de 27 com doenças relacionados ao excesso de peso.

Orlislat

Ao contrário dos medicamentos apresentados anteriormente, o Orlislat não altera o apetite do paciente. Ele faz com que a gordura absorvida pelo corpo seja diminuída em 30%.

Quando os remédios para emagrecer podem se tornar perigosos?

Como dissemos nos tópicos anteriores, os remédios para emagrecer são excelentes para quem deseja alcançar um corpo com menos gordura.

Entretanto, eles podem se tornar perigosos quando não há indicação médica ou quando usados de forma diferente da indicação.

Isso acontece porque eles podem causar dependência química, alterações gastrointestinais, alterações cardíacas, insônia e efeito sanfona.

Além dos riscos citados anteriormente, os medicamentos para emagrecer ainda podem causar uma série de outros perigos. Veja quais são:

  • anemia;
  • hipertensão pulmonar;
  • depressão;
  • ansiedade;
  • sensação de boca seca;
  • prisão de ventre ou diarreia;
  • acidente vascular cerebral (AVC);
  • enjoo.

Dessa maneira, o profissional de saúde dirá se essa é a melhor opção para sua saúde, qual medicamento e em que quantidade tomar.

Quais as contraindicações desse remédio?

Somente as pessoas com autorização médica podem usar os medicamentos para emagrecer.

Sendo assim, não há recomendação deles para pessoas que querem perder menos de 15 quilos e que não têm acompanhamento profissional.

Além disso, não devem tomar os remédios as pessoas que não tem uma rotina de exercícios físicos adequada e bom plano alimentar.

remédios para emagrecer

Diferenças entre Remédios Para Emagrecer e os Suplementos

Você já deve ter reparado que no mercado existem também os suplementos alimentares, como wheys, pré-treinos e emagrecedores à base de substâncias naturais.

Então qual a diferença deles para com os medicamentos acima?

É simples: Os medicamentos para emagrecer são substâncias sintéticas, feitas em laboratórios farmacêuticos.

Eles servem para alterar o funcionamento metabólico através de alterações endócrinas e/ou neurológicas, por isso a necessidade de recomendação médica!

Já os suplementos naturais, são feitos à base de plantas e vegetais com o intuito de AUXILIAR no emagrecimento.

As substâncias contidas nesses produtos podem ser por exemplo: café verde, chá verde, gengibre, beringela, fibras e uma infinidade de outras substâncias naturais comprovadas no auxílio ao emagrecimento.

Veja nesta página um exemplo de produto emagrecedor, natural que não tem contra-indicações e não precisam de receita médica

Resumo

Ao longo deste texto mostramos tudo sobre os remédios para emagrecer! Dissemos que esses medicamentos, se combinados com um plano alimentar adequado e boa rotina de exercícios são eficientes para a perda de peso. Posteriormente, mostramos como eles agem no organismo para auxiliar no controle da saciedade. Em seguida mostramos quais as diferenças entre os medicamentos de farmácia e os suplementos naturais. Por fim, explicamos quando eles podem ser perigosos e quais as contraindicações desse remédio.

Gostou de entender mais sobre esse tema? Então não deixe de acessar o nosso artigo 3 bebidas poderosas para emagrecer para fazer em casa!

Gostou? Espalhe Saúde. Compartilhe

Sobre o Autor

Sobre o Autor

Deixe Seu Comentário

Receber Notificações
Notificar-me
guest
0 Comentários
Feedbacks de Linha
Ver todos os comentários